Artigo: Os estudos de futuro no ambiente empresarial

"Nas empresas, o pensamento sobre futuro deve acontecer em paralelo ao planejamento estratégico"

em 15/04/2020

Artigo: Os estudos de futuro no ambiente empresarial

Por Ana Carolina Fernandes*

Resolver as urgências do momento ou criar planos a médio e longo prazo? O que parece uma oposição, na verdade, é algo que caminha lado a lado. E, sendo bem trabalhado o segundo ponto, as demandas críticas são reduzidas aos imponderáveis. Em cenários emergenciais, inicialmente, as empresas podem cometer o equívoco de focar apenas em questões momentâneas. Porém, os estudos de futuro são uma ferramenta estratégica vital para a continuidade dos negócios.

Como as empresas podem se preparar para os desafios de um contexto de incertezas? De que forma os negócios se mantêm frente às velozes transformações tecnológicas, sociais, ecológicas, comportamentais, políticas e econômicas? Não refletir sobre isso é não se permitir fazer parte do futuro. Muitas empresas que antes dominavam seus mercados perderam espaço por não compreenderem que precisavam se repensar para continuarem relevantes.

Relatórios de tendências já foram engavetados, sendo subestimados ou mesmo considerados distantes do repertório das empresas. Ao serem revistos, muitos desafios e questões fundamentais já estavam descritas nessas análises. Entretanto, estratégias não foram pensadas, e as crises chegaram sem que as empresas estivessem preparadas para lidar com elas. Podemos lembrar do caso clássico da indústria fonográfica que demorou a se adaptar e aceitar os impactos do cenário da digitalização da música, sofrendo perdas econômicas significativas.

É comum que muitos negócios que já se consolidaram no mercado se prendam ao campo do conhecido e acreditem que nada irá mudar de forma tão definitiva. E, quando acontece, agem como se fosse surpresa, fazendo parecer que os indícios não estavam evidenciados anteriormente. Isso faz com que atuem em novos cenários com o uso de recursos do passado, com ferramentas que já não se aplicam a esse contexto, causando efeitos indesejados. Os dados e todo histórico da empresa são importantes, mas não devem ser os únicos a pautar o planejamento. As transformações mudam os ambientes que conhecemos, nos apresentam novas realidades.

Leia também
Futuro em tempos de ruptura
O que são estudos de futuro?

Para projetar possibilidades de futuros, é necessário analisar o presente. A partir daquilo com que se deparam hoje, as empresas avaliam desdobramentos em temporalidades distintas para poderem agir de forma mais assertiva no presente, com esse olhar para o amanhã. Trata-se aqui tanto de realidades que podem nos surpreender em curtíssimo prazo ou em períodos mais distantes de 5, 10, 20 e até 50 anos.

Os estudos de futuro devem ser adotados de forma estratégica para orientar o planejamento e a tomada de decisão, minimizando riscos. O desenho de cenários a longo prazo é tão fundamental que algumas empresas possuem áreas destinadas a realizar esses estudos internamente, como os reconhecidos casos da Shell, Intel e Phillips. Outra possibilidade comum é contratar consultorias e adquirir relatórios realizados por profissionais, agências e escritórios especializados nesse tipo de pesquisa.

Esses relatórios são construídos por equipes multidisciplinares com olhares e experiências distintas. É importante que as empresas selecionem um time interno de especialistas para analisar esse material e entender como adequá-lo da melhor forma à realidade dos negócios. A partir disso, é necessário estruturar planejamentos e executá-los, colocando o futuro em ação e fazendo valer o investimento. É fundamental ter clareza que a pesquisa não é um ponto final. A qualquer momento o conteúdo pode ser revisto e adaptado aos imprevistos.

Vislumbrar novos contextos prepara não só para os desafios, como para as oportunidades. Estudar o futuro é tanto sobre manter a relevância, antecipando riscos e adquirindo agilidade de resposta, quanto encontrar nichos de mercado inexplorados. Em um cenário de alta competitividade, o olhar a longo prazo permite que as empresas adquiram vantagem se tornando iniciadoras de diálogos, abrindo frentes de negócios, com a criação de novos produtos ou serviços.

Desenvolver o pensamento plural é crucial. A flexibilidade das ideias permitirá pensar em cenários determinantes para a continuidade dos negócios, das carreiras e das estratégias de planejamento. Imaginando múltiplas possibilidades e levando em consideração temporalidades diferentes, pois o mesmo cenário pode se desdobrar e se transformar com a ação do tempo. E, a partir disso, analisar os impactos na sociedade e, consequentemente, no mercado.

Nas empresas, o pensamento sobre futuro deve acontecer em paralelo ao planejamento estratégico. Além disso, adquire especial ênfase na atuação dos comitês de crise. Não são estudos pontuais, mas parte da dinâmica dos negócios. E, neste momento de ruptura, especialmente com o modo emergência acionado, é essencial pensar a longo prazo. As decisões feitas hoje irão influenciar diretamente no cenário que as empresas encontrarão no futuro.

Ana Carol
*Ana Carolina Fernandes é coordenadora do Lab de Tendências da Casa Firjan

Tópicos:
  • Estudos de Futuro
  • Futuro
  • Futurismo
  • Covid-19
  • Coronavírus
Em destaque
Artigos, Estudos e Pesquisas 30º Dossiê: Cultura maker nas empresas

Sua empresa entende que é possível inovar mesmo sem recursos para isso?

em 20/10/2020

Artigos, Estudos e Pesquisas 29º Dossiê: Consumer insights

Não basta ter acesso a dados, é importante ter um equipe capaz de extrair insights relevantes

em 08/10/2020

Artigos, Estudos e Pesquisas 28º Dossiê - Planejamento financeiro

Sua empresa consegue avaliar se está tomando decisões coerentes com o mercado?

em 06/10/2020