Storytelling para negócios exige aproximação com o público

É essencial selecionar boas histórias alinhadas ao objetivo de comunicação de uma empresa, afirma especialista

em 16/06/2020

O storytelling e a necessidade de reinvenção das pessoas no trabalho e nas relações integraram a pauta da live de educação do último dia 3 de junho, no Instagram da Casa Firjan. Na oportunidade, a designer e storyteller Ana Cotta conversou com o líder do núcleo de Comunicação da Casa, Frederico Portela, e reforçou a importância da adaptação das marcas, especialmente no período da pandemia. 

Segundo a especialista, é inegável que o uso constante das telas para estabelecer interações aumentou, tornando-se um canal de relevância para empresas que buscam não somente se comunicar com funcionários, mas também compartilhar lives e disponibilizar conteúdos. “No momento atual, com relações intermediadas por aparelhos, precisamos de elementos humanizados. Isso reside no relacionamento e baseia-se na criação de relações verdadeiras e nas trocas em que o diálogo permite ambas as partes falarem e serem ouvidas, abrindo espaço para a emoção.”

Ana, que também é docente do curso de storytelling da Casa Firjan, defendeu que contar histórias é uma tarefa intrínseca ao ser humano e reforçou que no mundo virtual, stories, posts no feed e lives são alguns espaços onde desempenhamos essa função. 

Mas quais são os detalhes, afinal de contas, que trazem relevância para uma história? Para a especialista, é saber com quem se está falando e entender quais são os porquês dessa comunicação. “O storytelling, nesse sentido, conecta tais pontos e pode oferecer diversas narrativas, sendo importante selecionar aquela que adere seu objetivo de comunicação”, refletiu. 

Redes sociais ajudam a criar aproximação
Na visão de Ana Cotta, as redes sociais digitais reduzem a formalidade e ampliam a aproximação do público com a marca, ficando mais fácil de perceber qual discurso aquela empresa adota. “Ao construir o branding, ou seja, a identidade da marca, muitas apresentam um posicionamento de amizade com o público, apropriando-se de uma abordagem mais próxima. Enquanto outras, discursam de uma posição de conselheira ou consultora.” 

Para a storyteller, ao escolher a posição da marca, o próximo passo é definir a narrativa adequada, lembrando que essa história precisa de uma  cultura solidificada dentro da empresa para desfrutar de um Storytelling legítimo. “É importante para integridade da marca ser autêntica e cumprir o que prega”, complementou. 

Mas não são somente as marcas que podem se beneficiar da arte de contar histórias. Apresentações pessoais também podem atrair um bom engajamento por meio dessa técnica, desde que o contador entenda o seu público e o contexto em que ele se encontra. “Todo mundo tem uma boa história, mas alinhe-a com seu objetivo de fala. Em seguida, faça um plano em tópicos para saber a ideia principal, a tensão e o que se espera do cenário. Escolha o meio onde se pretende transmitir a mensagem e escreva um roteiro para seu Storytelling. Adote uma narrativa que atenda ao objetivo de comunicação e não se esqueça de responder seus espectadores posteriormente”, finalizou. 

Veja algumas dicas para despertar o storyteller que existe em você:

•    Ao se apresentar não seja redundante;
•    Busque complementar pontos de vista, expandir e aguçar olhares, oferecendo estímulos mentais aos espectadores;
•    Ao contar uma história, tenha generosidade para levar o outro junto ao enredo, devagar e gentilmente; 
•    Sempre que começar um Storytelling, imagine-se em um ambiente descontraído, como um bar, por exemplo, seja natural;
•    Faça o seu discurso relevante ao respeitar o contexto de seu público, entendendo quando estão prontos para ouvi-lo, ou seja, tenha sensibilidade.

Links:
Novo anúncio da Heineken

Livros:
Sapiens: Uma breve história da humanidade, por Yuval Noah Harari

Filmes e séries:
O nome da rosa, por Umberto Eco (há o livro também)
História: direto ao assunto | Netflix

Vídeos:
The power of vulnerability | Brene Brown | Ted talks
How great leaders inspire action | Simon Sinek | Ted talks
 

Tópicos:
  • Educação
  • Storytelling
  • Nova Economia
Em destaque
Educação “Programar é como aprender um novo idioma”, diz especialista

Bate-papo, no Instagram da Casa Firjan, apresentou os conteúdos abordados na oficina "Programação para não programadores"

em 03/07/2020

Educação "Comunicação não-violenta não deve ser usada apenas para resolver conflitos”

Para Diana Bonar, abordagem é uma forma de se relacionar sem culpa, medo ou punição

em 20/06/2020

Educação Gamificação para auxiliar no processo de aprendizagem

Para docente Guilherme Xavier, metodologia engaja alunos e torna o ensino mais atrativo

em 05/06/2020