Empatia é uma das habilidades mais importantes para a liderança

Habilidade é considerada uma das mais importantes para exercer a liderança no mundo atual

25/06/2020

Empatia é uma das habilidades mais importantes para a liderança

Considerada uma das habilidades mais importantes para o exercício da liderança no século XXI, a empatia foi o tema do Aquário Casa Firjan desta semana. O assunto, ainda mais em voga durante a pandemia – quando as empresas estão revendo as estratégias de trabalho –, permeou o encontro “Covid-19: Liderança e empatia - como criar uma cultura de confiança nas empresas”, que contou com a presença de Marie Bendelac, cofundadora e sócia-diretora da Be Coaching Brasil, e Daniel Spolaor, diretor de Gente para a América do Sul na Ambev, com mediação de Iuri Campos, responsável pelo Aquário Casa Firjan, e ampla participação do público.

Marie, francesa que há 11 anos escolheu o Brasil para morar, é uma das maiores referências em Comunicação Não-Violenta (CNV), baseada em habilidades de linguagem que ajudam a estabelecer relações de parceria e cooperação, e que reformulam a maneira de ouvir e de ser ouvido. A coach é a criadora do método Conecta 21 Dias, que oferece ferramentas para a construção de relacionamentos mais saudáveis e harmoniosos usando a metodologia dos sete passos fundamentais: Curiosidade; Ouvir; Não Julgar; Empatizar; Checar; Transição (do “ouvir” para o “expressar”) e Autenticidade.

Menos estresse, mais engajamento

“As empresas que fomentam uma cultura de confiança têm, em média, 74% de funcionários menos estressados e 76% mais engajados. É um erro apostar em ações que não tenham foco na cultura de confiança e na empatia. O aumento da confiança é três vezes mais potente que o aumento de salário, por exemplo, quando o assunto é o engajamento do funcionário. E as empresas que apostam na cultura da confiança, através da empatia, têm funcionários, em média, 50% mais produtivos, com o dobro de energia para essa produção, com menos 40% de burnout e uma taxa de ausências no trabalho infinitamente menor”, relatou.

Marie resumiu a importância da cultura da empatia em duas ações, sendo a primeira delas o que ela chama de pergunta-chave, fundamental no exercício da função de todo líder de empresas: é preciso indagar "Como você está se sentindo?” constantemente. “Os líderes precisam treinar o olhar para entender o outro e sempre se lembrar de fazer essa pergunta. Se houver constrangimento da parte do funcionário, ele vai perceber que há algo de errado, vai entender se o ‘sim’ quer dizer ‘não’, por exemplo”, afirma a coach, acrescentando que a segunda ação mais importante é buscar a compreensão da situação, no lugar de debater.

Segurança psicológica

Embora a empatia seja vista como de fundamental importância na liderança, estudos da consultoria internacional Development Dimensions International (DDI) apontam que apenas quatro em cada 10 líderes de hoje desenvolveram essa competência.

“Pesquisas recentes mostram que as equipes que mais dão certo são as que têm segurança psicológica. Cria-se um ambiente de aprendizagem. É nesse ambiente livre de julgamentos que se cria a confiança. As pessoas passam a ouvir e a serem ouvidas, tanto os liderados quanto os líderes. Dessa forma não se avaliam as pessoas, mas as ideias”, afirmou, por sua vez, Daniel Spolaor.

Um princípio-chave da Comunicação Não-Violenta ou empática é estimular a expressão de sentimentos e necessidades, em vez de fazer críticas ou juízos de valor. “A falta de feedback, por exemplo, é um grave problema. Descobrimos, recentemente, que mais eficaz do que fazer pesquisa de clima anual, que demora a apresentar os resultados, é estabelecer um canal mais direto e criar perguntas simples, semanais, sobre o que pode ser feito para ajudar as pessoas a melhorarem. Traz muito mais informação, por meio de uma ferramenta simples e eficiente”, acrescentou ele